Leia mais

Deputados na betoneira

Sinduscon, em ação inusitada, transforma parlamentares do fundão eleitoral em persona non grata na entidade

Deputados na betoneira

Quando instituíram o Observatório Social, entidades de Cascavel deram os primeiros passos para falar em outra língua com os mandatários do município e da região. Gradualmente saíam os salameques e trocas de elogios protocolares nos jantares de posse e reuniões ordinárias para atitudes que de fato se espera da sociedade organizada.

O Observatório gerou atritos com poderes constituídos, notadamente a Câmara Municipal e os inquilinos do 3º andar do Paço Municipal. Entre recuos e dribles aos contemporizadores do “deixa disso”, as entidades foram firmando posturas mais críticas, embora ainda muito cautelosas em nome do “relacionamento harmonioso” em sociedade.

Foi neste cenário meio água com açúcar que se fez ouvir a betoneira da Avenida Assunção, onde está o prédio do Sinduscon Paraná-Oeste. No último dia de 2021, a entidade emitiu uma nota em teor inédito no G8, acrônimo que reúne algumas das principais associações da cidade. Sem meias palavras, os empresários da construção concretaram significativa parcela da bancada paranaense no Congresso Nacional. E transformaram em persona non grata os deputados que votaram favoráveis ao fundão eleitoral de R$ 4,9 bilhões.

Argumentos não faltavam para quem redigiu a nota do Sinduscon. Afinal, o fundão é maior que o orçamento da União para a saúde e para a educação, as duas pastas que historicamente concentram a maior parte dos recursos. No texto, a entidade deixa claro: deputados do fundão estão desconvidados a pôr os pés na sede do sindicato, bem como em qualquer evento promovido ou patrocinado pela entidade. Nunca nenhuma organização emitiu um posicionamento tão duro. Foi como jogar parte da bancada paranaense dentro de uma betoneira. E deixar bater.

Em termos mais brandos, seguiram-se outras notas: OAB, Amic, Sindicato Rural e Acic. E o recado ficou claro: a base está bem cimentada, as estacas são profundas e a sociedade não vai mais aplaudir o pão e circo emanados de Brasília, cidade cujos protagonistas historicamente se posicionaram de costas para o Brasil.